Portal SER

Elogiar ou bajular?

O trato com pessoas requer atenção em todas as situações. Até para elogiar temos que pensar nas consequências de nossas palavras.

Usar apenas adjetivos pode não surtir o resultado esperado. Além disso, principalmente no caso de crianças, podemos criar uma dependência desses estereótipos.

Quando a criança tem consciência sobre o que fez que merece o elogio, ela se apropria dos recursos necessários para comparecer com a sua expectativa. Neste caso, utilizar uma linguagem descritiva é muito eficiente.

“Hoje você colaborou muito no mercado, foi muito importante poder contar com sua ajuda! Você percebeu como fizemos tudo rapidinho e sobrou tempo para…”

Fornecer elogios eficientes permite o reconhecimento de potenciais e habilidades, favorecendo o desenvolvimento de uma imagem positiva de si.

Claro que as expressões “minha princesa”, “que linda” e afins são permitidas, porém precisam de um algo a mais, algo que diferencie ou destaque o que está indo bem.

Encontrar um momento diário para descrever as ações que seu filho teve que merecem elogio é um hábito bastante saudável para a relação pais e filhos.

Antes de dormir, por exemplo, naquele momento de relaxar, dizer brevemente sobre as ações que ele teve que você aprecia e reconhece como adequadas, vai gradativamente criando um sentimento de pertencimento e favorecendo a construção de sua autoestima e autoconfiança.

Se queremos ensinar nossos filhos a reconhecer nossos méritos, devemos primeiro ensiná-los a perceber suas virtudes.